Arroz: governo firma acordo com produtores e indústria para monitorar preço e abastecimento do grão

  • 05/07/2024
(Foto: Reprodução)
Também foi lançado o programa 'Arroz da Gente', que prevê empréstimos a juros baixos e acompanhamento técnico para pequenos agricultores do Nordeste, Centro-Oeste, Norte e Sudeste. O Sul produz, hoje, 85% do arroz no país. Arroz: governo firma acordo com produtores e indústria para monitorar preço e abastecimento do alimento Reprodução/Freepik O governo federal firmou um acordo com produtores e indústria do arroz para monitorar o abastecimento e os preços do grão no Brasil. Além disso, lançou um programa para incentivar a produção do grão por parte de agricultores familiares (veja abaixo). O acordo com o setor produtivo foi firmado na noite de quarta-feira (3), na presença dos ministros da Agricultura, Carlos Fávaro, e do Desenvolvimento Agrário (MDA), Paulo Teixeira, além do presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Edegar Pretto. ➡️Agricultores e indústria se comprometeram em manter uma oferta regular de arroz e preços justos ao longo da cadeia – até chegar ao consumidor – além de manutenção de estoques nos centros consumidores e alternativas que favoreçam o abastecimento em regiões mais vulneráveis, explicou Andressa Silva, diretora executiva da Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz). Em contrapartida, o governo não deve realizar leilões para importar o grão, embora a medida provisória que autoriza a operação ainda esteja vigente até setembro. "O Senado Federal prorrogou, por mais 60 dias, a medida provisória que autoriza o governo a fazer leilão. Então, está mantida ainda essa possibilidade. Claro que num diálogo, no compromisso que nós estamos firmando, nós esperamos que não seja necessário o governo utilizar deste mecanismo", disse o presidente da Conab, em vídeo publicado nas suas redes sociais, após o acordo com o setor. Em maio e junho, o governo tentou, sem êxito, trazer arroz de outros países após enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul, estado que responde por 70% da produção. Na época, o RS já tinha colhido 80% da safra e associações afirmavam que não havia necessidade de importar (entenda aqui). O presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Alexandre Velho, disse que a abertura de diálogo com o governo federal deu a oportunidade para o setor esclarecer pontos sobre o mercado de arroz. “Colocamos os grandes riscos que seria para o setor se continuássemos insistindo com a ideia de uma grande importação de arroz ou a continuidade dos leilões. Isto poderia trazer uma insegurança ao setor e inclusive uma ameaça ao tamanho da área plantada de arroz para a próxima safra”, disse. “Também vamos orientar os produtores no sentido de abastecer a indústria e, consequentemente, trazer tranquilidade com relação aos consumidores, fazendo esse acompanhamento de preços do mercado e também garantir o abastecimento, trazendo uma normalidade ao funcionamento do mercado”, acrescentou. Como vai funcionar o monitoramento? Na reunião, ficou decidido que a Câmara Setorial do Arroz vai criar um grupo de trabalho para monitorar o comportamento do mercado do grão, com a participação da Conab. A Câmara Setorial do Arroz é um órgão consultivo do Ministério da Agricultura formado por entidades representativas do setor privado. Semanalmente, a Conab fará um levantamento de preços e, onde for identificada alta de preços do produto, a Companhia vai comunicar a Câmara Setorial, que fará a mobilização do setor de produção e da indústria para abastecer esses locais. Além disso, o governo diz que o Mapa, o MDA e a Conab vão atuar em parceria com o setor para levar arroz a preços acessíveis ao consumidor brasileiro. "Onde for identificado um aumento do preço do arroz, será feita uma ação para controlar", disse o presidente da Conab. 'Arroz da Gente' Na quinta-feira (4), o governo federal também lançou o programa "Arroz da Gente", uma das ações do Plano Safra deste ano, que é a principal política de financiamento público da agropecuária. Segundo o governo, a medida contará com crédito a juros menores, acompanhamento técnico, garantia de comercialização, além de facilitação de acesso a pequenas máquinas, colheitadeiras e silos secadores de pequeno porte. A ideia, segundo a Conab, é zerar a colheita manual. A expectativa é de que essa ação atenda 10 mil famílias e, inicialmente, 200 municípios de 14 estados do Nordeste, Centro-Oeste, Norte e Sudeste, regiões com pouca produção de arroz. O Sul responde por 85% da produção nacional. Leia mais: Incentivo ao arroz, juros menores e R$ 85 bi de crédito: entenda o Plano Safra para agricultura familiar Plano Safra prevê R$ 400 bilhões em créditos para médios e grandes produtores rurais, diz governo Fávaro: leilões para importação de arroz não são necessários no momento Plano safra: Governo Federal vai disponibilizar mais de R$ 85 bilhões para financiamento

FONTE: https://g1.globo.com/economia/agronegocios/noticia/2024/07/05/arroz-governo-firma-acordo-com-produtores-e-industria-para-monitorar-preco-e-abastecimento-do-alimento.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

Anunciantes